Beto mãos de tesoura

Beto mãos de tesoura
CHEGA DE RICHA COM A EDUCAÇÃO...

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Chamado aos estudantes da UEM-Umuarama campus Fazenda



http://maringa.odiario.com/parana/noticia/498072/estudantes-da-uem-paralisam-aulas-em-umuarama/

A UEM não vai embora!

Desde o fim da ocupação, estamos organizados em comissões de acompanhamento do cumprimento das reivindicações. As reuniões tem se prolongado e até o momento ainda não vimos resultados. Além disso, a reitoria passou por cima de um dos compromissos firmados: a não criminalização dos participantes do movimento. Bolsistas-trabalho foram demitidos porque os chefes disseram que não tem confiança neles porque participaram do movimento, um funcionário da TV-UEM que aderiu ao movimento foi demitido, funcionários e professores foram repreendidos e 8 membros do movimento estão respondendo processo da Polícia Federal pela ocupação da Rádio Universitária, a pedido da reitoria.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

A opinião de alguem que trabalha na Reitoria sobre o Movimento de Ocupação

Sobre a ocupação da reitoria e a força do Movimento Estudantil

08/09/2011 | 15:27 | Aguinaldo Cavalheiro (Guiga) é funcionário da UEM-FM
Retornei na última sexta às minhas funções na UEM (Universidade Estadual de Maringá). Na semana anterior o prédio da reitoria havia sido ocupado pelos estudantes. Não me deterei nos motivos pelos quais os estudantes realizaram tal ato, nem nos resultados obtidos (Construção de novos blocos e finalização dos blocos já iniciados, abertura de concursos, verbas para termino da Casa do Estudante, construção do RU 2 e RU nas extensões, entre outros) que acredito venham beneficiar diretamente toda comunidade acadêmica, mas o que me chamou muito a atenção foi a capacidade organizacional e operacional do movimento. Segundo informações deste mesmo jornal, houve uma concentração de cerca de duas mil pessoas nesse período, e nada ocorreu que pudesse prejudicar a imagem desse movimento, ou seja, aquilo que se costuma ouvir pela mídia como sendo baderna ou arruaça, nada disso foi visto. Os estudantes demonstraram a capacidade de gerir a ocupação de modo lúcido, sensato e coerente. Confesso que eu e meus colegas servidores técnicos ficamos impressionados com fato dos estudantes terem conseguido operar os equipamentos da Rádio UEM FM sem o auxilio de nenhum servidor e sem que houvesse quaisquer danos à rádio e aos seus bens materiais. Estava tudo, desde o mais simples objeto, no mais perfeito estado.
Tenho notado que aos poucos o movimento estudantil vem demonstrando sua força nas mais diversas regiões do Brasil. Esta ocupação, por exemplo, não é a primeira e nem será a ultima de que sabemos. Ano retrasado acompanhamos a ocupação da reitoria da UnB (Universidade de Brasília) e no ano anterior outra ocupação teve como desfecho a renúncia de seu reitor diante das provas apresentadas contra ele. Nesse momento existem outras reitorias ocupadas por estudantes, tais como a UFPR e a UFSC.
Tudo isso me parece bastante curioso, pois até bem pouco tempo o movimento estudantil parecia adormecido, salvo raras exceções, como foi o caso dos caras pintadas no impeachment do ex-presidente Fernando Collor. Sabemos que, historicamente, os estudantes foram protagonistas de muitas reivindicações, inclusive durante o golpe militar. Mas o que pensar do ocorrido aqui em nossa universidade? Terá sido um fato isolado ou podemos relacionar essas atividades a outras de que temos noticias? São perguntas que deixo aos nossos historiadores e sociólogos.
De minha parte quero apenas ressaltar a inteligência e a coragem de todos os presentes na ocupação, que ousaram colocar-se no lugar onde se tomam todas as decisões pertinentes à instituição. Esse fato, que não é pouco, significou uma transferência de poder, do Reitor aos estudantes. Dito de outro modo, a lição que os estudantes da UEM nos deram foi o exercício pleno e legitimo de instituição democrática.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

O Movimento Continua

 O ritmo de informações diminuiu, afinal, estávamos todos um tanto quanto cansados, não é mesmo?
Mas o movimento não pode e nem vai parar!!

Continuamos nos reuindo no DCE, terça-feira passada a Reunião Geral estava cheia, e começamos a discussão de como encaminharemos a continuidade desse movimento tão bonito e vitorioso como tem se apresentado. Pensamos e discutimos o próximo CEEB, Assembléias de Curso, e até um acampamento com oficinas e mesas de discussão, e não podemos esquecer de nossas reinvindicações e de sempre e sempre conversar com nossos amigos, explicar tudo que aconteceu na ocupação e tudo que ainda vai continuar acontecendo.

TERÇA-FEIRA agora, dia 13, nos reuniremos novamente às 17:30

Venha, que o movimento não para!

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

O ATO ESTÁ DE PÉ!

Pessoal, entregaremos a reitoria amanhã 8h. Chamaremos uma coletiva de imprensa para o mesmo horário. Estejam todos presentes para entregarmos a chave de volta à reitoria.

O ato está mantido, sim! A luta não acaba aqui, nem o nosso movimento! Vamos formar comissões para acompanhar a implementação de cada uma das reivindicações.

Obs: Chamamos todas as atléticas para estarem presentes e se somarem à nossa "baderna" que conquistou tudo isso!

01/09: UM DIA DE VITÓRIA PARA A UNIVERSIDADE PÚBLICA!

Para quem não ouviu na rádio e não viu no facebook, a reunião com a reitoria acabou e... tudo foi acatado!!!!! Inclusive as garantias do governo do Estado, com quem a reitoria conversou nesta manhã.
Serão estabelecidas comissões para acompanhar o andamento de todos os trabalhos.

Aqui tudo é felicidade, brilho nos olhos, sorrisos.......!
VIVA O MOVIMENTO ESTUDANTIL, VIVA NOSSA UNIÃO, NÓS PODEMOS!!!

Moção de apoio do DA Honestino Guimarães (FAFIL)


Moção de apoio do DA “Honestino Guimarães” - FAFIL

 
           O DA Honestino Guimarães – FAFIL apóia e se solidariza com a luta dos estudantes da UEM. Saudamos a bela iniciativa dos estudantes ao decidirem dar um basta à precarização do ensino e lutarem pela educação que merecemos.
              A realidade do conjunto da educação brasileira está refletida na UEM e entendemos que o movimento estudantil de todo o país também deve se inspirar no exemplo de luta que estão dando os estudantes desta universidade.
              Nos solidarizamos também com os estudantes chilenos, que estão firmes na luta pela educação pública e gratuita, e que infelizmente hoje convivem com uma repressão truculenta que chegou a causar a morte do estudante Manuel Gutierrez, nome exemplarmente dado a ocupação da UEM.
             Aproveitamos para saudar também a luta que, não só a UEM, mas diversas universidades do país, estão tocando para exigir 10% do PIB pra educação e contra o PNE do governo.
Chegou a hora de dizer, não só para as reitorias, mas também para o governo, que a educação não pode mais esperar!

Chamada pro UltimATO amanhã (sexta)




"diziam por aí que éramos meia dúzia de desocupados, transformamos-nos em 600 na Reitoria, depois em mais de 2000 na Colombo, amanhã???? ESSA VITÓRIA NÃO SERÁ POR ACIDENTE!"

ATO AMANHÃ (SEXTA)



ATO do dia 30

O ATO em defesa da Educação organizado pelo Movimento Ocupação Manuel Gutierrez na ultima terça-feira contou com a participação de mais de 2.000 pessoas, entre estudantes, em sua maioria, mais professores, funcionários e demais agentes da sociedade.

Saímos da Reitoria perto das 10 horas, contornamos a UEM pela Lauro Verneck, e caminhamos por toda passarela central, até chegar a Colombo. Quando passávamos pelo RU fomos aplaudidos pelos funcionários, que reconhecem nossa causa de luta como deles também. Outros alunos que saíam das aulas no momento do Ato aderiam a grande passeata. Chegamos em frente à Reitoria perto das 11h30min. Contamos também com professores da rede estadual do Paraná que fecharam seu protesto do dia 30 aqui na Reitoria conosco.

Ao mesmo tempo do Ato aqui, quatro representantes do Movimento se reuniam com o secretário de Ensino e Tecnologia do Paraná em Curitiba, as negociações mudaram claramente de tom quando o secretário recebeu uma reportagem do Diário de Maringá dizendo que mais de duas mil pessoas se reuniam aqui.

Agora, depois de duas Assembléias, cheiaS de estudantes, discutimos ponto por ponto de nossas Reivindicações e as respostas do secretário, para chegarmos a uma contraproposta mais objetiva, com prazos e números. Todos nós esperamos agora uma resposta positiva por parte da Reitoria.

Para tanto, contamos com a PRESENÇA DE TODOS amanhã SEXTA-FEIRA para mais um GRANDE ATO. Na REITORIA às 9:30.
Estão TODOS mais do que convidados, estão TODOS CONVOCADOS

VENHAM FAZER PARTE DESSE MOVIMENTO QUE SE FEZ O MAIOR MOVIMENTO DE MOBILIZAÇÃO OCUPAÇÃO DA HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE












"diziam por aí que éramos meia dúzia de desocupados, transformamos-nos em 600 na Reitoria, depois em mais de 2000 na Colombo, amanhã???? ESSA VITÓRIA NÃO SERÁ POR ACIDENTE!"

Os apoios não páram... DCE Unioeste, DACS Sergipe e Professor do Dpto. de Filosofia


CAROS COMPANHEIROS

Nós do DCE BZ da UNIOESTE, campus Francisco Beltrão, estamos entrando, em princípio, na batalha de vocês.

Também somos uma instituição pública e nos vemos no dever de apoiar e manter uma luta constante na melhoria do ensino.

Vamos estudar melhor os ideais e propostas para vermos como podemos da melhor maneira apoiá-los. Hoje a tarde contatarei os representantes dos demais campus da UNIOESTE, e o quanto antes faremos um mutirão para isso.

Por hora é somente isso, mas desde já podem contar com nosso apoio.



Atenciosamente



Wilson César Vanin
Secretário DCEBZ

Moção de apoio

O Diretório Acadêmico de Comunicação Social (DACS) da Universidade Federal de Sergipe, gestão ‘Para Repartir com Todos’, apoia e soma-se a ocupação da reitoria da Universidade Estadual Maringá (UEM), por compreender ser justa a luta por uma educação gratuita e de qualidade.

No primeiro semestre de 2011, impulsionamos uma ocupação de reitoria. Essa ação radicalizada foi conseqüência da total defasagem que passa nosso curso, aliás toda a universidade pública, já que as políticas de acesso implementadas pelo governo Lula da Silva (PT) não garantem estrutura, professor, tampouco pesquisa e extensão, ou seja, a permanência do estudante e sua devida formação. O resultado foi que estudantes de outros cursos somaram-se à ocupação, que durou 11 dias. Agora, o slogan ‘Chega de Migalhas’, que simbolizava nossa indignação localizada, intitula a campanha que está sendo tocada por centros e diretórios acadêmicos de diversos cursos, conselho de residentes e conselho de bolsistas da UFS.

Compreendemos que a educação deva servir como libertação do indivíduo, formando sujeitos coletivos e transformadores da sociedade, e esta com certeza não é a política implantada nas escolas e universidades públicas brasileiras, nas quais a educação vem sendo tratada como mercadoria e não mais como direito. Por isso reforçamos a necessidade de estarmos juntos nessa batalha, entre outras que vem ocorrendo nos últimos meses, que, aliás, ultrapassam as fronteiras brasileiras. Exemplo disso, são as mobilizações que estão tomando o Chile.

Chega de migalhas na nossa formação: queremos ensino, pesquisa e extensão
Chega de migalhas no financiamento da educação pública, é 10% JÁ
Chega de migalhas: assistência estudantil e permanência AGORA

À luta,

Diretório Acadêmico de Comunicação Social - UFS

A manifestação de protesto dos estudantes da UEM, com a ocupação da Reitoria, tem caminhado de maneira tranquila, mostrando seu respeito ao patrimônio público e seu real interesse pela qualidade do ensino superior e da própria universidade. Apesar de discordar de certos detalhes do movimento, concordo com o geral das reivindicações. Devo salientar o que declarei desde o início, que o problema maior não é a reitoria, mas o governo do Estado. Os problemas não só da UEM mas de todas as universidades estaduais são fruto de descaso de anos de governo. O principal problema, que deveria ser o foco principal de protesto, é a falta de autonomia da universidade. Muitas das reivindicações esbarram no problema da autonomia. Acreditando na boa vontade do reitor, ele não tem autonomia de realizar tal vontade. A contratação de servidores e professores, embora a universidade faça o concurso, depende da aprovação do Governo em Curitiba. É certo a necessidade de se obter mais recursos para a universidade, mas tais recursos devem ser geridos pela própria comunidade acadêmica e não de acordo com os interesses do governo de Estado. O secretário da educação diz que o problema é o repasse do governo federal, ora e o repasse do governo estadual? A universidade é estadual, e a responsabilidade também. O Paraná é o quinto maior PIB do país, mas o repasse estadual para a educação não é o quinto (como ocorre com os quatro primeiros PIBs). A educação para ser vitrine do Estado deveria ter qualidade de fato.
Os cursos novos da universidade foram criados a partir de certas demandas, porém eles necessitam de recursos para sua instalação e manutenção, o que implica infraestrutura física e corpo docente e de funcionários qualificados. A universidade não tem um estatuto sobre os campi que parecem ser tratados mais como extensões, na medida em que todos os seus problemas deve ser resolvidos na sede. Os professores colaboradores também precisam ter seu estatuto regulado mais seriamente. A bolsa trabalho oferecida não pode ser um tapa buraco pela falta de servidores, nem meio de exploração do trabalho estudantil. Essas questões têm vindo à luz no COU e os conselheiros têm se mostrado favoráveis à mudança crítica em relação a esses e outros problemas.
Assim, creio que há um apoio real, como aparece demonstrado no blog da ocupação, ao movimento, mesmo por parte da própria comunidade acadêmica, entendendo que a ocupação é uma atitude de desespero em face da não realização de promessas ou compromissos e da situação limite existente. Isso porque há um interesse real numa UEM de qualidade, havendo o empenho de muitos para isso, mesmo numa infraestrutura ainda não adequada. Apesar de seus salários, inferiores em relação a outras universidades públicas, os docentes se empenham em ensino, pesquisa e extensão, comprometendo muitas vezes seus próprios salários em favor da universidade. Cabe dizer, portanto, que o governo de Estado não sinalizou ainda a que veio em termos de ensino superior. Espera-se que não faça discursos demagógicos ou jogadas políticas com a educação, às vésperas de eleições.

Robespierre de Oliveira, Prof. Do DFL

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Reivindicações, respostas e contra-propostas


PAUTA DE REIVINDICAÇÕES E DECISÕES ACORDADAS


Reivindicação: CONSTRUÇÃO DE NOVOS BLOCOS E FINALIZAÇÃO DOS BLOCOS JÁ INICIADOS COM QUALIDADE ADEQUADA
Resposta:
- Já estão assegurados recursos para continuidade das obras
  • Meta é concluir as obras iniciadas
  • Garantia de recursos para as etapas seguintes da Casa do Estudante
Contra-proposta:
- Garantir o término de três blocos até o fim do ano de 2011.
- Iniciar licitação da segunda fase da Casa do Estudante em março de 2012.

Reivindicação: ABERTURA DE CONCURSOS PARA PROFESSORES EFETIVOS, VIGILANTES E TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS
Resposta:
  • Compromisso de agilizar e garantir as contratações de servidores
Contra-proposta:
  • Preenchimento de 75% do total das vagas necessárias para suprir a demanda de professores efetivos na Universidade, conforme necessidade de cada Departamento e curso.
  • Preenchimento de todas as vagas ociosas relativas ao corpo docente (decorrente de falecimento, aposentadoria ou exoneração) da Universidade.
  • Nomeação imediata de todos os docentes que já passaram pelo processo seletivo e aguardam convocação.
  • Contratação de trinta (30) funcionários.
Garantia: compromisso da SETI com estas contratações.


Reivindicação: TRANSFORMAÇÃO DAS BOLSAS TRABALHO EM BOLSAS DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO
Resposta:
-Encaminhar para decisão interna a mudança gradativa à medida que agentes universitários serão contratados
  • Bolsa-Trabalho a ser concedida com base em indicadores sociais dos estudantes e plano de atividades acadêmicas.
Contra-proposta:
  • Transformar 100 (cem) bolsas-trabalho em bolsas-pesquisa até junho de 2012.
  • A partir do ano que vem, organizar toda a seleção dos bolsistas através de um processo de seleção que leve em consideração a condição sócio-econômica dos mesmos.

Reivindicação: REDUÇÃO DO PREÇO PRATICADO PELAS COPIADORAS DENTRO DO CAMPUS SEDE E DOS CAMPI REGIONAIS PARA R$ 0,07 A FOLHA COPIADA
Resposta:
- SETI informa que o Governo do Estado está vendo a possibilidade de fazer nova licitação geral para copiadoras; se for conveniente, as Universidades poderão se utilizar
  • Matéria encaminhada ao CAD, para deliberação
Contra-proposta:
- Que o reitor garanta, através de ato executivo, o preço de R$0,07 por cópia ou marque uma reunião do CAD que se comprometa a defender esta reivindicação.

Reivindicação: GARANTIA DE PARTICIPAÇÃO E TRANSPORTE EM SAÍDAS DE CAMPO, CONGRESSOS E VISITAS TÉCNICAS
Resposta:
  • Secretário comunicou a liberação de ônibus novo para o Câmpus-Sede e gradativa dotação de ônibus para os demais campi da UEM.]
Contra-proposta:
- Manter a liberação do ônibus até o fim deste ano e que até o final de 2012 sejam lotados os ônibus nas extensões.

Reivindicaçâo: MANUTENÇÃO E AUMENTO DO NÚMERO DE BEBEDOUROS E LIXEIRAS
Resposta:
-Sendo providenciados
Contra-proposta:
- Se comprometer com o prazo estabelecido até o fim deste ano (2011).

GARANTIA DE EQUIPAMENTOS E INFRAESTRUTURA SEGUNDO A NECESSIDADE DE CADA CURSO, MOBILIÁRIO ADEQUADO EM TODOS OS BLOCOS PARA ASSEGURAR A QUALIDADE DOS CURSOS E E A SAÚDE DOS ESTUDANTES E PROFESSORES
  • Criar um programa, na SETI, de apoio aos cursos de graduação, mediante diagnóstico e demanda apresentados pelos Pró-Reitores de Ensino das Universidades
  • Contra-proposta:
  • Que o programa da SETI contemple representação estudantil. Propomos que o número de representantes discentes por Universidade seja de 2 (dois).
  • Garantia da SETI.

Reivindicação: CONSTRUÇÃO DA CONCHA ACÚSTICA E OUTROS ESPAÇOS DE VIVÊNCIA PARA A COMUNIDADE ACADÊMICA, NO CAMPUS SEDE E NOS CAMPI REGIONAIS
Resposta:
- Foi feita licitação, houve divergências: o palco é pequeno para eventos de maior porte
  • Combinado que serão ouvidos setores interessados, visando à elaboração de novo projeto, se for o caso
  • Contra-proposta:
  • Que a reitoria se comprometa com um prazo para o início da licitação da obra. Sugerimos que seja até maio de 2012.

Reivindicação: FIM DE TODAS AS TAXAS, INCLUSIVE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU
Resposta:
  • Criar grupo de trabalho, com a participação de estudantes, para encaminhamento da matéria ao CAD
Contra-proposta:
  • Que a reitoria demonstre uma proposta de isentar os alunos que provem que não podem pagar de todas as taxas da Instituição.
  • Que seja feita uma proposta ao CAD para a progressiva extinção das taxas.


Reivindicação: AQUISIÇÃO DE MAIS LIVROS PARA AS BIBLIOTECAS DE ACORDO COM A NECESSIDADE DOS CURSOS NO CAMPUS SEDE E NOS CAMPI REGIONAIS
Resposta:
- De acordo
  • A SETI, juntamente com a Reitoria, viabilizará recursos, para o atendimento
Contra-proposta:
- Que a reivindicação seja atendida até o início do ano letivo de 2012.

MAIS VERBAS PARA A LICITAÇÃO E CONSTRUÇÃO DA SEGUNDA E TERCEIRA ETAPAS DA CASA DO ESTUDANTE UNIVERSITÁRIO
- Já informado anteriormente

Reivindicação: CONTRATAÇÃO DE SEIS FUNCIONÁRIOS PARA O RESTAURANTE UNIVESITÁRIO E A OPÇÃO DE ALIMENTAÇÃO VEGETARIANA TODOS OS DIAS
-Resposta:
Ofício 557/2011 GRE: garantia de encaminhamento, pela SETI
Contra-proposta:
- Garantia de um complemento alimentar vegetariano para todos os alunos, todos os dias da semana.

Reivindicação: BOLSA DE AUXILIO INCLUSÃO PARA TODOS OS ESTUDANTES QUE NECESSITEM DE SUBSÍDIO DE ACORDO COM SUA RENDA, ASSEGURANDO TODAS AS REFEIÇÕES NO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO, BEM COMO O SUBSÍDIO DE QUINHENTAS CÓPIAS E DUZENTAS E CINQUENTA IMPRESSÕES MENSAIS
Resposta:
  • Estas reivindicações constam da proposta de Assistência Estudantil que a SETI e as IEES estão propondo ao Governo Federal
Contra-proposta:
  • Criação imediata de 15 (quinze) vagas deste auxílio aos estudantes que atualmente trabalham no Restaurante Universitário.
  • Ampliação de 50 (cinqüenta) vagas a partir do início do ano de 2012.
  • Criação de 15 (quinze) vagas para os campi regionais, assim que entre em vigor o programa de alimentação subsidiada.
Reivindicação: CONSTRUÇÃO DO RU-2 E RU NOS CAMPI REGIONAIS
Resposta:
- Ampliação do RU para 2012
  • Adequação de espaço físico nos Campus Regionais, com a viabilização da alimentação, por meio de edital de licitação.
Contra-proposta:
  • Licitação para a obra de ampliação do Restaurante Universitário até o início de 2012.
  • Realização imediata da licitação nas extensões e conclusão das obras de construção do R.U. nas extensões até o fim de 2013.
  • Imediato início da elaboração do projeto do R.U. II, com previsão de conclusão das obras até o fim de 2013.

Reivindicação: REVERSÃO DO CORTE DE VERBAS! 10% DO PIB PRA EDUCAÇÃO DE FORMA IMEDIATA E VIS AMPLIAÇÃO DA TRIBUTAÇÃO SOBRE AS GRANDES FORTUNAS, POR UM PLANO ESTUDANTIL DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL COM RUBRICA ESPECÍFICA DE 400 MILHÕES DE REAIS
Resposta:
     - Foi aprovada uma emenda no início do ano para suprir os 38% da Universidade, via remanejamento. (Nota do Movimento M.G.: esta verba muito dificilmente virá apenas com essa emenda, por isso fizemos a proposta do secretário, junto ao reitor, pedir ao governo federal uma suplementação no orçamento)
  • Apoio integral à reivindicação, ao Governo Federal, de 10% do PIB para Educação.
Contra-proposta:
  • Compromisso da SETI com o prazo de novembro de 2011 para o envio da verba cortada do orçamento da Universidade.
  • Encaminhamento de um ofício da SETI para o MEC até o final de setembro exigindo 10% da destinação do PIB para a educação pública imediatamente, com cópia de recebimento ao DCE-UEM.


Reivindicação: BOLSAS PARA TODOS DO MESTRADO E DOUTORADO
Resposta:
  • Garantia de ampliação, pela Fundação Araucária, e ampliação, mediante negociação, com a CAPES e CNPq
Contra-proposta: não há.

Reivindicação: AUMENTO DO VALOR DAS BOLSAS
Resposta:
- Mantido o valor da bolsa em R$ 300,00 mensais, conforme resolução do CAD
  • Estudos visando à possibilidade de aumento de valor
Contra-proposta:
- Apresentar uma proposta de aumento no valor das bolsas na discussão do orçamento do ano que vem, visando equiparar o valor-hora de todas as bolsas tendo por base as bolsas de pesquisa do CNPq.

Reivindicação: INSTALAÇÃO ADEQUADA E RECURSOS PARA OS PÓS-GRADUANDOS DESENVOLVER A PESQUISA
Resposta:
  • De acordo, mediante editais da Fundação Araucária
Contra-proposta: não tem.
Reivindicação: COTAS DE XEROX E IMPRESSÃO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO
-Resposta:
Matéria a ser encaminhada ao CAD
Contra-proposta:
- Se comprometer com a defesa de um parecer favorável frente ao CAD.

Reivindicação: CRITÉRIOS CLAROS NA SELEÇÃO E NA DISTRIBUIÇÃO DE BOLSAS NA PÓS-GRADUAÇÃO
Resposta:
  • Regulamento dos programas
Contra-proposta:
- Instituição de uma proposta de cotas sociais para a distribuição de bolsas de mestrado.
Reivindicação: CASA DO ESTUDANTE TAMBÉM PARA O PÓS-GRADUANDO
Resposta:
  • Alunos da pós-graduação também poderão ter acesso à Casa do Estudante
Contra-proposta: ---

Reivindicação: CENTRO DE TRADUÇÃO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS
Resposta:
  • Uso do ILG e estudos junto ao CCH visando à criação de um Centro
Contra-proposta:
  • Contratação de estagiários do curso de Letras para lecionar no Instituto.
  • Isenção de taxas e mensalidades para a comunidade acadêmica.
Reivindicação: GARANTIA DE NÃO CRIMINIZAÇÃO DA OCUPAÇÃO! CONTRA A PRESENÇA DA POLÍCIA NO CAMPUS!
Resposta:
- Segundo o Reitor, a partir do momento em que as negociações, baseadas no diálogo, não surtirem efeito, e a Universidade passar a ter prejuízos, como a perda de recursos, pareceres e soluções que dependam da Reitoria, será preciso uma ação que garanta a reintegração de posse. "Como gestor, sou responsável pelo andamento de todas essas questões, por isso tenho de ter moralidade, ética, eficiência, legalidade e transparência, princípios que regem a administração pública", enfatizou
- Para o Secretário, o diálogo permanente com os representantes das Universidades é fundamental, para que o Governo consiga melhorar, cada vez mais, a Educação, no Estado. Ele se dispôs a receber os estudantes de todas as Universidades, periodicamente, e destacou a ideia de implementar, no Sistema Estadual de Educação, política unificada e de qualidade para todos os níveis de ensino, enfatizando que a participação de todos os estudantes é importante, nesse processo.

Contra-proposta:
- Garantir a não abertura de processos internos ou externos contra qualquer membro da comunidade acadêmica que participou da ocupação da reitoria. Como estudantes, somos responsáveis pelo acompanhamento de todas estas questões, por isso temos de ter moralidade, ética, eficiência, legalidade, transparência e garantia de não criminalização desta luta legítima pela educação pública, luta que é de toda a sociedade.

Moção de Apoio do CA de Arquitetura e Urbanismo da UDESC


O Centro Acadêmico de Arquitetura e Urbanismo da Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, vem através desta expressar seu total apoio à todos os acadêmicos que hoje se mobilizam e ocupam a reitoria da Universidade Estadual de Maringá – UEM.
Em um país como o Brasil, onde sabemos que a educação perdeu o caráter prioritário, é revigorante ver como o movimento estudantil pode voltar a se fortalecer. Entendemos que tal mobilização é de suma importância, pois dá voz aos estudantes de tal universidade, que lutam por melhorias na educação pública.
Esperamos que a UEM esteja aberta a ouvir seus estudantes, e que possa atender as pautas levantadas não só por eles, mas também por servidores e professores. Que tal exemplo seja seguido e que outras instituições e governantes destinem a atenção necessária à educação.
Estamos com vocês nessa luta!
Centro Acadêmico de Arquitetura e Urbanismo – UDESC
Gestão 2011

Moção de apoio do DCE Mário Prata - UFRJ


           O DCE-Mário Prata da UFRJ apoia e se solidariza com a luta dos estudantes da UEM. Queremos declarar não só o nosso apoio incondicional a ocupação, mas dizer que hoje a UEM vem inspirando o conjunto da juventude do país a ir à luta. Nós, aqui na UFRJ, estamos impulsionando um processo de lutas semelhante e pra todos nós a ocupação da UEM vem demonstrando o caminho para a juventude conquistar seu direito a educação.
 Ficamos mais impressionados ainda ao saber que a ocupação foi batizada de Manuel Gutierrez em homenagem ao estudante chileno que lutava em defesa da educação e foi vítima da repressão. Nada mais justo do que esta homenagem.
Que todos os estudantes da UEM saibam que cá no Rio de Janeiro existem verdadeiros companheiros que se solidarizam com cada dificuldade e alegria desta luta. Desejamos um fraternal abraço. Temos a convicção de que, assim como ocorre no Chile hoje, é possível que vejamos a juventude brasileira se reerguer, se organizar e transformar os rumos do nosso país. Vamos mobilizar todo o país para resolver os problemas da educação exigindo 10% do PIB já e nos colocando contra este PNE do governo.



DESCONSTRUINDO A IMPARCIALIDADE DA MÍDIA 2


Maringá também tem sua revista Veja, ela se chama O Diário.

Na edição desta quarta-feira, 31/08/2011 o colunista Milton Ravagnani demonstrou achar normal a demora burocrática do atendimento às reivindicações estudantis, ressaltou que o dinheiro deve ser controlado. Isso não ocorre com as obras da Copa com obras sem licitação, pois eventos que angariam prestígio ao Estado são prioritários, mas a educação não é.
Na esteira do jornal também tenta desqualificar a ocupação. O movimento incomoda, porque demonstra a capacidade de mobilização estudantil, e isso deve ser reprovado, porque a esse precedente de sucesso podem suceder outros na conservadora Maringá. Afinal, desde sempre e em toda parte a direita condena ações populares. Quem ler a coluna notará o ranço perene contra os partidos de esquerda. Outrora essa postura reacionária já foi mais intensa...
Sobre a exploração da renda das fotocopiadoras e das cantinas é natural que a renda seja revertida para o órgão estudantil, afinal são os estudantes que utilizam esses serviços.
Sobre a criminalização do movimento Ravagnani aventa que os estudantes estariam melhor informados se conhecessem as leis. Ele tem batido nessa tecla constantemente, a da ignorância popular em relação às leis. Cito o caso do aumento de vereadores, no qual defensores do projeto da elevação do número de cadeiras fingem esperar decisão de uma instância superior, quando na verdade a decisão final é dos próprios vereadores. Esse é um debate que deveria ser expandido. Será que o colunista apoiaria o ensino escolar do Direito, da Constituição nas escolas para que haja cidadania de fato, para que o povo não seja enganado? Defenderia a quebra do monopólio dos advogados em relação ao acesso às leis? Ou não, pois isso significaria dar poder demais à população que, mesmo nas condições que conhecemos, se mobilizam e provocam reações significativas e esclarecedoras como as que vemos no movimento de ocupação da reitoria da UEM.

Alex
História - UEM

ASSEMBLÉIA GERAL.

VENHAM PARA REITORIA.

Estamos começando a assembléia geral AGORA
Juntem - se a nós. É de extrema importancia a presença de todos os estudantes.

A RADIO ESTÁ SINTONIZADA.

Apenas um breve esclarecimento.
Desde o início da ocupação recebemos os mais diversos adjetivos, VÂNDALOS era o mais constante.
Mas foi em ato de vandalismo que a reitoria cortou nossa transmissão de rádio, em um ato irresponsável cortaram a energia da radio sob o risco de queimar todos os equipamentos.
Fizeram a proposta de reativar nosso telefone e internet se nós nao ligássemos a rádio, como o combinado nao foi realizado, reativamos a rádio.
SINTONIZEM 106.9,
A rádio da ocupação da reitoria.

Moção de apoio de vários CA's e APG da UNIOESTE


MOÇÃO DE APOIO A OCUPAÇÃO DA REITORIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ-UEM

 SAUDAÇÕES A QUEM TEM CORAGEM!!!

2011 é um ano de lutas! Nós aqui da UNIOESTE estamos passando por um processo de rearticulação de um movimento estudantil de base. A UNIOESTE é uma das Universidades Estaduais do Paraná que foi atingida pelos cortes de verbas em 2011. Cerca de 40% da verba de custeio foi cortada.

Nossa situação em relação à Assistência Estudantil é precária, não temos Restaurante Universitário e nem Casa dos Estudantes. A Universidade Estadual do Oeste do Paraná-UNIOESTE é dividida em cinco campi, dificultando a articulação do movimento estudantil. Depois de muito tempo conseguimos uma rearticulação do movimento em reuniões dirigida pela base.

Nos solidarizamos à luta dos estudantes de Maringá por uma Universidade Pública, gratuita de qualidade e por assistência estudantil, por isso viemos por meio desta moção manifestar o nosso apoio a todas as bandeiras de lutas!

Exigimos da reitoria da UEM e do Governo do Estado o atendimento das reivindicações do movimento estudantil e o aumento das verbas destinadas à educação. Também nos somamos à luta para que o Governo Federal destine 10% do PIB para educação imediatamente

UNIOESTE, 30 de agosto de 2011.
APG- Associação dos Pós Graduandos da UNIOESTE
CACS - Centro Acadêmico de Ciências Sociais – Gestão “Desvio Padrão”
CAD – Centro Acadêmico de Direito
CAEP – Centro Acadêmico de Engenharia de Pesca
CAFIL – Centro Acadêmico de Filosofia - Gestão "Liberdade em Construção"
CAG – Centro Acadêmico de Geografia “Chico Mendes”
CAH - Centro Acadêmico de História Zumbi dos Palmares – Gestão: “o Alento do Silêncio ao Grito”
CAQ – Centro Acadêmico de Química – Gestão: “Linus Carl Pauling”
CASS - Centro Acadêmico de Serviço Social

Assembléia suspensa/Aula de Psicologia

A comunicação anda comprometida porque a internet e o telefone não voltaram (a reitoria havia proposto que voltariam se não religássemos a rádio).

Acabou há pouco a Assembléia para ouvir as respostas do governo. Os pontos são muitos e não houve tempo hábil para discutirmos tudo. A Assemblẽia está suspensa até 17h30 (para que as pessoas que trabalham em horário comercial possam participar).

Aula do DPI começando em instantes, aberta, sobre Psicologias do Trabalho, com a professora Talita.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

MOÇÃO DE APOIO À OCUPAÇÃO DA REITORIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ




O Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal de Goiás declara por meio desta o total apoio aos estudantes que hoje lutam por melhorias na educação desse país, por meio da ocupação da reitoria da UEM.

Sabemos que a educação não é prioridade de nenhum governante, porém os estudantes de luta não se cansam de lutar por ela e esses mesmos estudantes irão alcançar suas pautas como por exemplo o não corte de verbas.

Exigimos da reitoria da UEM e do governo do Paraná que atenda todas as pautas dos estudantes ocupados e que os demais governantes deste país destine 10% do PIB para educação publica e já.


Saudações para quem tem coragem!
DCE-UFG
Gestão Unidade Para Lutar

Todo apoio à luta dos estudantes da UEM! A sua luta é a nossa luta!

Venho através desta manifestar meu apoio à ocupação da reitoria da
UEM, por entender que a luta dos estudantes contra a precarização do
ensino público é a luta que vai de encontro com as lutas que vem
ocorrendo no Brasil e no mundo, sejam na Inglaterra, Síria ou no Chile,
a luta que a juventude enfrenta é por um futuro.
Os Governantes oferecem um futuro sombrio para os estudantes.
A juventude não aceita pagar a conta da crise Mundial e muito menos
ser uma geração perdida e se organiza e luta para defender o seu
futuro. 
É por esses motivos que considero que estou com os estudantes da UEM
nessa luta.
Aos companheiros da UEM, dou meu total apoio e desejo força nessa luta!

Bianco Vereador PT de Sarandi Paraná